Saturday, May 01, 2010

Pra você viver mais

Alô. Alô, Fernanda? Arthur! Faz tanto tempo que já tinha até me esquecido da sua voz. A sua continua a mesma. A sua também, acho. É aquela coisa: a gente esquece, mas basta ouvir um pouquinho pra lembrar de tudo. Eu conseguiria listar algumas coisas que são desse jeito. O quê? Alguns amores, gosto de Arthur, tá me ouvindo? Tô. Você poderia falar um pouquinho mais alto, tá meio baixo aqui. POSSO. CONSEGUE ME OUVIR AGORA? Aff. Acho que era algum problema com o sinal: você quase me deixou surda. Haha, desculpa. O que você estava dizendo antes? Ahn.

Não lembro. Devia ser mentira. Devia. Bem, eu liguei mais pra dizer que fui ver uma peça hoje. Baseada na obra de Paulo Leminski. Nossa, deve ter sido boa. E foi. Lembra de quando eu descobri que ia me mudar pra cá e que pensei que, ao menos, conheceria ele? E de quando descobri que ele já tinha morrido? Sim. Seria tão legal se ele ainda estivesse vivo. 

Enfim, a peça foi no Teatro José Maria Santos. Sabe aquele do qual falei numa carta, em que vi a peça sobre Capitu? Aquele do dia em que Sim, eu lembro. Você lembra. Eu e minha mania de descrever tintim por tintim algumas sensações da nova cidade. As peças que vi, em especial, apesar de poucas. Então, essa peça foi TÃO boa que alguns minutos depois dela ter começado eu já tava chorando. O ator lá, falando das palavras, a atriz traduzindo pro francês. Ele falava de janelas abertas, de estrelas, de outras coisas tão bonitas e, de repente, olha pra mim, pra mim mesmo e perguntou: “Você vem olhar o céu?”. Eu fiz que sim com a cabeça. 

Eu anotei algumas coisas no meu caderninho. Sobre a bota rosa da atriz. Dela falando “São ótimos esses lencinhos”. Ou do outro ator, mais famoso – fez até novela – dizendo “Queria ter alguém para esperar. Mas não espero ninguém.”

Eu chorei mais algumas vezes. Uma delas quando já tinha saído da peça e que até me ajudou a aliviar um pouco de minha sinusite. Urgh. É nojento mesmo, hehehe. Pensei em tanta coisa antes de chegar em casa. Apesar do sono, queria ligar pra você. Lembrei daquela "Canção pra você viver mais".

Arthur? Tá aí, ainda?

Alô? Tô, tô aqui, sim. Hoje eu vi uma coisa na internet. Tem um site que se chama Learn Something Every Day. Hmmm, nunca ouvi falar. No dia 25 de Abril eles postaram que homens que partem o cabelo pra direita tendem a viver mais que os homens que partem o cabelo pra esquerda. Hahaha, sério? Eu posso não saber fazer uma canção, mas posso te dar essa dica, não? Valeu. O que eles falaram no dia do meu aniversário? Que anatidaefobia é o medo de que um pato esteja te observando ou perseguindo. Interessante.

E por aí vai. Estranho pensar que uma peça boa influencia seu sistema imunológico e faz você viver mais (o que torna o nome da peça, Vida!,  ainda mais significativo). E que talvez isso tenha o mesmo peso que repartir o cabelo pra direita.

1 comment:

Rody Cáceres said...

Olá, amigo! Ainda não li o livro da Carol, mas gora você me deixou curioso. Obrigado pela visita no meu blog, voltarei com mais tempo para ler seus textos.